INSÔNIA DE VOCÊ


São exatamente 04:05 da manhã. E sim, eu já deveria estar dormindo.

Um turbilhão de sentimentos está fazendo volta por todo o meu corpo. O coração acelera, fica apertado. A cabeça gira. Tantas perguntas e nenhuma resposta.

Definitivamente odeio não saber o que fazer. Odeio não está no controle do meu subconsciente. Odeio o fato de ter me permitido sentir qualquer sentimento que me bagunça. Odeio o fato de sua imagem está passando pela minha cabeça em forma de slide agora.

O dia está quase amanhecendo, já posso ouvir os pássaros cantando e dá pra ver uma luz já surgindo pelo vidro da minha janela. São 04:10 e ainda não sei o que fazer e nem como me desligar por um momento e dormir. Odeio o poder que você tem sobre mim e você ser a causa dessa noite de insônia.

Tomei decisões precipitadas, depois tomei decisões bem pensadas, e nos dois casos eu voltei atrás. Andei dois passos e voltei três. Tento andar pra frente, mas há algo me puxando de volta ao início. De volta a onde nós conhecemos. E de todas as pessoas, queria que você estivesse no começo da lista das mais improváveis a me deixar confusa. Mas o seu nome no ranking das que eu não consigo decifrar está em primeiro lugar. Parabéns. Você merece um prêmio, por isso e por sua atuação de bom moço que primeiro me arranca sorrisos e depois noites em claro. 

Eu juro. Tentei me envolver o mínimo possível, não sou impulsiva, mas você me fez pensar e agir diferente. Nossos encontros tem efeito em mim parecido como os de você fazer uma prova da qual está absolutamente despreparado, você vai sem saber de nada, mas você fica lá, esperando pra ver o que vai acontecer, mesmo já tendo calculado que as possibilidades de tirar uma nota boa são mínimas. Com a gente é mais o menos assim, não existe um gráfico pra a nossa relação, mas se existisse, creio que as probabilidade de dar certo não seriam as maiores, mas eu iria esperar você me dizer o que vai acontecer. E espero. Então me fala, o que há entre a gente? Por qual motivo meu coração acelera ao te ver, mesmo você estando em uma distância que seria incapaz de me enxergar? Me diz o que eu faço com você, o que eu faço com a gente. Com nós dois. Se é que existe um Nós.


Talvez eu apenas esteja pagando pra ver, quando na verdade já sei como vai acabar. Nem eu sei o motivo de eu estar sendo tão insistente, quando talvez já era pra ter pulado fora e fechado esse livro. Você é um enigma que estou tentando decifrar, mas sem expectativa. Não estou esperando muita coisa disso, se vier, lógico que irei ficar feliz, mas se não chegar, tá tudo bem, é só pegar meus sentimentos bagunçados e ir embora. Mas te peço, por favor, não brinque comigo. Não me desmonta pois demorei pra arrumar meus pedaços da última vez que algo assim me aconteceu. Bom, melhor eu tentar dormir, já são 04:28, e agora estou torcendo pra não sonhar com você quando tudo que eu mais queria era te ver outra vez.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.